Segunda, 15 de Julho de 2024
19°C 34°C
Teresina, PI
Publicidade

Mulher se casa com avô do companheiro e Justiça anula por fraude

Ao analisar o caso, magistrado entendeu que o casamento com o avô do companheiro, tinha como objetivo, de forma fraudulenta, a obtenção de benefícios previdenciários e assistência médica

10/07/2024 às 13h19
Por: Lucyanna Nunes
Compartilhe:
Mulher contraiu núpcias com avô de companheiro para receber benefícios previdenciários.(Imagem: Freepik)
Mulher contraiu núpcias com avô de companheiro para receber benefícios previdenciários.(Imagem: Freepik)

4ª câmara Cível do TJ/MG reformou a decisão da comarca do Vale do Aço e declarou nulo o casamento entre uma mulher e o avô de seu companheiro. O entendimento da Justiça se baseou na intenção da mulher de obter benefícios do ISPM - Instituto de Previdência dos Servidores Militares do Estado de Minas Gerais.

A ação para anular o casamento foi proposta em maio de 2020 pelo MP/MG e pelo ISPM. A ação alegava que a mulher, então com 36 anos, residia com o Policial Militar reformado de 92 anos, juntamente com seu companheiro e três filhos.

O casamento ocorreu em 10 de agosto de 2016, em um cartório de cidade vizinha, com o objetivo de, segundo a denúncia, garantir à mulher acesso a benefícios previdenciários e assistência médica.


Além da fraude contra o sistema previdenciário, a mulher foi acusada de declarar falsamente residir no município onde o casamento foi realizado. O MP/MG e o ISPM pleitearam a anulação do casamento e o pagamento de indenização por danos morais coletivos.

A acusada, em sua defesa, negou qualquer irregularidade no casamento e apresentou testemunhas que convenceram o juiz de origem. No entanto, as instituições recorreram da decisão.

O relator do recurso, juiz convocado Eduardo Gomes dos Reis, reformou a sentença anterior. O magistrado fundamentou sua decisão na constatação de que a mulher mantinha um relacionamento com o neto do policial reformado, união da qual nasceram três filhos. A conclusão do magistrado foi que o casamento com o avô do companheiro visava, de forma fraudulenta, a obtenção de benefícios previdenciários e assistência médica.

Apesar de reconhecer a fraude, o juiz convocado como desembargador negou o pedido de indenização por danos morais coletivos. 

O Tribunal omitiu o número do processo

Fonte: Migalhas

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Publicidade
Publicidade
Economia
Dólar
R$ 5,44 +0,26%
Euro
R$ 5,93 +0,04%
Peso Argentino
R$ 0,01 +0,03%
Bitcoin
R$ 367,613,93 +10,62%
Ibovespa
129,320,96 pts 0.33%
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Lenium - Criar site de notícias