Segunda, 15 de Julho de 2024
20°C 36°C
Teresina, PI
Publicidade

Por confissão, STJ reduz pena de condenado por estupro de vulnerável

Para colegiado, embora a confissão do réu não tenha sido o único meio de prova para a condenação, ela deve ser reconhecida como atenuante, mesmo que parcial.

09/07/2024 às 11h50
Por: Lucyanna Nunes
Compartilhe:
O caráter parcial da confissão deve sopesar na diminuição da pena, analisa Schietti.(Imagem: Lucas Pricken/STJ)
O caráter parcial da confissão deve sopesar na diminuição da pena, analisa Schietti.(Imagem: Lucas Pricken/STJ)

A 6ª turma do STJ decidiu reduzir a pena de um condenado por estupro de vulnerável, ajustando-a de 8 anos para 7 anos e 4 meses de reclusão. A decisão manteve o regime inicial fechado para o cumprimento da pena.

O condenado havia sido inicialmente sentenciado a 9 anos e 4 meses de reclusão, em regime fechado, pela prática do crime de estupro de vulnerável, conforme o artigo 217-A, caput, do Código Penal.

O TJ/SP, ao julgar a apelação, reduziu a pena para 8 anos de reclusão, mantendo o regime fechado.

A defesa recorreu ao STJ, alegando que a imposição do regime inicial fechado era mais gravosa do que o necessário e que não havia sido reconhecida a atenuante relativa à confissão, prevista no artigo 65, III, "d", do Código Penal.

 

O ministro relator, Rogerio Schietti Cruz, destacou que, embora a confissão do réu não tenha sido o único meio de prova para a condenação, ela deve ser reconhecida como atenuante, mesmo que parcial.

Schietti observou que a jurisprudência da 5ª turma do STJ consagra a necessidade de conferir maior eficácia ao artigo 65, III, "d", do Código Penal, considerando apta para configurar a atenuante a admissão dos fatos pelo réu, ainda que de maneira parcial ou seguida de retratação.

"O caráter parcial da confissão e a sua não utilização como fundamento da condenação permanecem relevantes, mas devem ser sopesados na escolha da fração de diminuição, conforme o princípio da individualização da pena", afirmou Schietti, ao aplicar a redução da pena em 1/12, resultando na diminuição da pena de 8 anos para 7 anos e 4 meses de reclusão.

Contudo, o relator manteve o regime inicial fechado, levando em consideração as circunstâncias negativas do crime e a gravidade do delito.

Os ministros Sebastião Reis Júnior e Antonio Saldanha Palheiro, e os desembargadores convocados Jesuíno Rissato e Otávio de Almeida Toledo, acompanharam o voto do relator.

Os advogados Vinicius Dinalli Voss e Icaro Pereira Souza, do escritório Pereira & Voss - Advocacia Criminal, atuam no caso.

Processo: REsp 2.123.477
O caso tramita em segredo de Justiça.

Fonte: Migalhas

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Publicidade
Publicidade
Economia
Dólar
R$ 5,44 +0,26%
Euro
R$ 5,93 +0,00%
Peso Argentino
R$ 0,01 +0,04%
Bitcoin
R$ 367,358,55 +10,53%
Ibovespa
129,432,31 pts 0.42%
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Lenium - Criar site de notícias