Segunda, 15 de Julho de 2024
20°C 36°C
Teresina, PI
Publicidade

Juiz aceita denúncia contra acusados do assassinato de Dom e Bruno

Os réus são acusados de ocultação de cadáveres e corrupção de menor.

27/06/2024 às 13h52
Por: Lucyanna Nunes
Compartilhe:
(Imagem: Gabriela Biló/Folhapress) Os acusados respondem por ocultação de cadáveres e corrupção de menor.(Imagem: Gabriela Biló/Folhapress)
(Imagem: Gabriela Biló/Folhapress) Os acusados respondem por ocultação de cadáveres e corrupção de menor.(Imagem: Gabriela Biló/Folhapress)

O juiz Lincoln Rossi Viguini, da 3ª vara Cível e Criminal de Tabatinga/AM aceitou denúncia do MPF contra cinco homens acusados de participarem do assassinato do indigenista Bruno da Cunha Araújo Pereira e do jornalista Dominic Mark Philips, ocorrido em 2020, no Vale do Javari/AM.

 

Os réus Eliclei Costa de Oliveira, Amarílio de Freitas Oliveira, Francisco Conceição de Freitas, Otávio da Costa de Oliveira e Edivaldo da Costa de Oliveira são acusados de ocultação de cadáveres e corrupção de menor por terem persuadido um jovem a participar do crime.

Em acusação anterior, o MPF denunciou três homens, sendo Amarildo da Costa Oliveira, Jefferson da Silva Lima e Oseney da Costa de Oliveira, pelos crimes de ocultação de cadáver e homicídio.

 

Relembre o caso

Bruno e Dom foram mortos no dia 5 de junho de 2022, vítimas de uma emboscada, enquanto viajavam de barco pela região do Vale do Javari, no Amazonas, região que abriga a Terra Indígena Vale do Javari, a segunda maior do país, com mais de 8,5 milhões de hectares.

A dupla foi vista pela última vez enquanto se deslocava da comunidade São Rafael para a cidade de Atalaia do Norte/AM, onde se reuniria com lideranças indígenas e de comunidades ribeirinhas. Seus corpos foram resgatados dez dias depois. Eles estavam enterrados em uma área de mata fechada, a cerca de 3 quilômetros da calha do Rio Itacoaí.

Colaborador do jornal britânico The Guardian, Dom se dedicava a cobertura jornalística ambiental - incluindo os conflitos fundiários e a situação dos povos indígenas - e preparava um livro sobre a Amazônia.

Bruno Pereira já tinha ocupado a Coordenação-Geral de Índios Isolados e Recém Contatados da Funai - Fundação Nacional do Índio antes de se licenciar da fundação, sem vencimentos, e passar a trabalhar para a Univaja. Por sua atuação em defesa das comunidades indígenas e da preservação do meio ambiente, recebeu diversas ameaças de morte.

Identificados e detidos, Amarildo, Jefferson e Oseney foram denunciados por assassinar e ocultar os cadáveres das vítimas. Na denúncia, feita em julho de 2022, o MPF aponta que, inicialmente, Amarildo e Jefferson admitiram os crimes, embora, posteriormente, tenham mudado os depoimentos.

Ainda assim, para os procuradores, "os elementos colhidos no curso das apurações apontam que o homicídio de Bruno teria correlação com suas atividades em defesa da coletividade indígena. Dom, por sua vez, foi executado para garantir a ocultação e impunidade do crime cometido contra Bruno".

Fonte: Migalhas

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Publicidade
Publicidade
Economia
Dólar
R$ 5,44 +0,26%
Euro
R$ 5,93 +0,00%
Peso Argentino
R$ 0,01 +0,04%
Bitcoin
R$ 367,358,55 +10,53%
Ibovespa
129,432,31 pts 0.42%
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Lenium - Criar site de notícias