Segunda, 15 de Julho de 2024
20°C 36°C
Teresina, PI
Publicidade

"Só sobra ser babá": Escola indenizará por discriminação racial e de gênero contra professora

Diretor sugeriu que professora trabalhasse como babá por ser mulher e negra.

25/06/2024 às 12h04
Por: Lucyanna Nunes
Compartilhe:
Escola indenizará professora por discriminação racial e de gênero.(Imagem: Freepik)
Escola indenizará professora por discriminação racial e de gênero.(Imagem: Freepik)

Uma escola da cidade de Batatais/SP foi condenada pela 3ª câmara do TRT da 15ª região ao pagamento de indenização por danos morais no valor de R$ 15 mil, devido à discriminação racial e de gênero contra uma professora.

O caso ocorreu durante uma reunião com a presença da coordenadora, da mantenedora e do diretor da escola. Durante essa reunião, o diretor teria mencionado que, "tendo em conta o cenário econômico atual e o fato de você ser mulher e negra, o que sobra é você trabalhar de babá".

 


No depoimento testemunhal, a mantenedora da instituição afirmou que a reunião foi realizada para discutir a atuação da docente na escola, pois alguns pais haviam relatado comportamento inadequado da professora com os alunos. Segundo a mantenedora, a intenção era conversar com a professora, em vez de demiti-la, e discutir os compromissos necessários para o bom desempenho em sala de aula.

A escola afirmou que o diretor teria "aconselhado" a professora a pensar melhor sobre seu comportamento, mencionando as dificuldades históricas que mulheres negras enfrentam no mercado de trabalho.

Profundamente discriminatório

A relatora do acórdão, juíza convocada Marina de Siqueira Ferreira Zerbinatti, afirmou que é prerrogativa da empregadora exigir que o empregado cumpra normas e orientações de serviço. No entanto, o colegiado analisou se a fala do diretor foi discriminatória sob a ótica racial e de gênero.

Para a relatora, "é evidente o dano moral", considerando "profundamente discriminatório pretender limitar as possibilidades de trabalho de uma pessoa a seu gênero e sua cor de pele".

A relatora destacou que a fala "transbordou todo o preconceito e a desvalorização que tanto pesam sobre a mulher, principalmente a mulher negra, no mercado de trabalho", mesmo que o objetivo não fosse amesquinhar.

O colegiado ressaltou que a fala do diretor reproduziu um cenário de injustiça racial e de gênero, justificando a condenação da escola ao pagamento da indenização.

Processo: 0010051-94.2023.5.15.0075

Fonte: Migalhas

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Publicidade
Publicidade
Economia
Dólar
R$ 5,44 +0,19%
Euro
R$ 5,93 0,00%
Peso Argentino
R$ 0,01 -0,01%
Bitcoin
R$ 365,943,55 +10,18%
Ibovespa
129,410,97 pts 0.4%
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Lenium - Criar site de notícias