Segunda, 16 de Maio de 2022
25°

Alguma nebulosidade

Teresina - PI

Dólar
R$ 5,06
Euro
R$ 5,27
Peso Arg.
R$ 0,04
Blog Daniel Silva Blog Daniel Silva

Maria Thereza de Assis Moura é eleita presidente do STJ; Salomão será Corregedor

Ministra Maria Thereza de Assis Moura vai presidir o STJ no biênio 2022-2024.

11/05/2022 às 15h49 Atualizada em 12/05/2022 às 01h17
Por: Daniel Silva Fonte: Revista Consultor Juridico (Conjur)
Compartilhe:
Ministra Maria Thereza de Assis Moura vai presidir o STJ no biênio 2022-2024. / Foto:Divulgação
Ministra Maria Thereza de Assis Moura vai presidir o STJ no biênio 2022-2024. / Foto:Divulgação

A ministra Maria Thereza de Assis Moura foi eleita, na manhã desta quarta-feira (11/5), presidente do Superior Tribunal de Justiça para o biênio 2022-2024. Ela sucederá no cargo o ministro Humberto Martins no cargo a partir de agosto.

Também ficou definido que o ministro Og Fernandes, atual diretor-geral da Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados (Enfam), assumirá como vice-presidente, em substituição ao ministro Jorge Mussi.

Já o ministro Luís Felipe Salomão será o novo Corregedor Nacional de Justiça, em substituição à ministra Maria Thereza. Por fim, o ministro Mauro Campbell vai dirigir a Enfam.

Essa troca de cargos acontece porque, tradicionalmente, o STJ elege os integrantes da cúpula diretiva pelo critério da antiguidade.

Assim, o ministro Herman Benjamin poderia integrar a direção, pois é mais antigo que os ministros Jorge Mussi e Og Fernandes. Por motivos pessoais, ele manteve a postura da eleição de 2020 e decidiu não concorrer.

"Informei aos meus pares há várias semanas que, em decorrência de sério problema de saúde na família, não tenho condições de assumir o honroso cargo de Corregedor da Justiça do CNJ. Em decorrência desse momento, me sinto impossibilitado", confirmou.

Da mesma forma, o ministro Jorge Mussi, ao deixar a vice-presidência, se tornaria naturalmente o Corregedor Nacional de Justiça. Por "motivos eminentemente pessoais", recusou o cargo, que acabou com o ministro Salomão, o próximo na lista da antiguidade.

Maria Thereza de Assis Moura será apenas a segunda mulher a ocupar a presidência do STJ, nos 33 anos de existência. A primeira poderia ter sido a ministra Nancy Andrighi, que desistiu do cargo em 2016 e, assim, permitiu que a honra fosse da ministra Laurita Vaz, no biênio 2016-2018.

"Gostaria de dizer que conto com participação de todos, com ajuda de Deus, principalmente dos servidores, para que a gente possa fazer trabalho conjunto dando seguimento ao que vem sendo feito em todas presidências. Efetivamente conto com a ajuda e a participação de todos", disse a presidente.

O ministro Og Fernandes também agradeceu a confiança e a honraria de ser vice-presidente da corte. "Dizer que essa mesa diretora representa a celebração de uma amizade", exaltou.

Já o ministro Luís Felipe Salomão exaltou o fato de os ministros do STJ estarem unidos. "A simbologia da unidade que tivemos é muito significativa. Fizemos as escolhas todas. Nosso tribunal segue unido e para frente. Só tenho a agradecer essa confiança. Quero dizer ao ministro Mussi e ao ministro Herman que, apesar de terem declinado essa posição, vamos fazer uma cogestão. Conto com os colegas", afirmou o Corregedor eleito.

Perfil
Empossada ministra do STJ em 2006 pelo presidente Luís Inácio Lula da Silva, Maria Thereza de Assis Moura é natural de São Paulo e chegou ao tribunal em vaga destinada à advocacia, decorrente da aposentadoria do ministro José Arnaldo da Fonseca.

Formada pela USP, onde se tornou mestre e doutora em Direito Processual, é ainda especialista em Direito Processual Penal (PUC-SP) e em Direito Penal Econômico e Europeu (Universidade de Coimbra, Portugal).

As destacadas carreiras na advocacia e no meio acadêmico renderam a ela prestígio nacional e internacional. Desde sempre, ocupou cadeira nos colegiados que julgam temas criminais – 6ª Turma e 3ª Seção, e é tida pelos colegas de Corte Especial como referência.

Anuário da Justiça Brasil, editado pela revista Consultor Jurídico desde 2007, sempre a apontou como de viés garantista na interpretação do Direito Penal. Deixou os julgamentos em turma em 2018, quando foi eleita vice-presidente na gestão do ministro João Otávio Noronha.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Daniel Silva
Daniel Silva
Sobre Jornalista, Assessor de Comunicação do TJ-PI. Aprovado na OAB-PI. Com o 'Blog Daniel Silva' traz atualizações do meio jurídico através de matérias, notas, entrevistas. É Editor do Jornal da Advocacia e da Revista JUS Advocacia. É o responsável pelo desenvolvimento dos projetos para o Jornal da Advocacia e suas mídias.
Ele1 - Criar site de notícias